publicidade

Thiago Carpini Revoluciona o Mercado de Transferências com Novo Portal Online.

O portal de transferências no futebol brasileiro: uma ferramenta inovadora para o mercado de treinadores.

O portal de transferências, originalmente, é uma ferramenta da NCAA (associação que administra os esportes universitários nos Estados Unidos) para facilitar o movimento de estudantes-atletas que desejam trocar de universidade. Um grande banco de dados on-line que permite que o processo de “contratações” de jogadores de diversas modalidades transcorra de maneira mais eficiente e transparente. Quando foi lançado, em 2018, seus criadores não poderiam imaginar que o futebol brasileiro já tinha concebido um mecanismo semelhante, destinado a devolver treinadores ao mercado, obedecendo às forças que normalmente regem a interrupção de trabalhos nos clubes do país.

O portal de transferências nacional é como um elevador com portas dos dois lados, uma com acesso ao clube e outra com vista para a rua, em que um técnico em vias de ser dispensado passa seus últimos dias no cargo. É uma espécie de limbo profissional, uma área de quarentena, reservada a treinadores cujo status empregatício é, com boa vontade, frágil. Quando um técnico entra no portal, a porta de trás se fecha e a abertura da porta da frente, que consuma a demissão, passa a ser uma questão de tempo. Não há o que fazer. São raríssimos os casos de treinadores que viram a porta de trás se abrir novamente, quase sempre por uma especial combinação de fatores: 1) um substituto viável não foi encontrado, e 2) o desempenho do time melhorou radicalmente enquanto o profissional estava no portal.

Thiago Carpini se encontra trancado no portal de transferências desde o campeonato estadual, quando o São Paulo iniciou uma trajetória descendente que não foi solucionada após o início da Copa Libertadores e do Campeonato Brasileiro . A arquibancada real já manifestou seu veredicto, a exemplo da virtual. A adesão dos jogadores o mantém no posto, o que costuma apenas protelar a abertura da segunda porta. Quando o time precisa resgatar o emprego de seu técnico, a decisão de demiti-lo já foi tomada. Aguarda-se o momento para anunciá-la, geralmente após um resultado frustrante, ocasião em que cartolas surgem com expressões de consternação e se dizem forçados a fazer o que não planejavam. Por óbvio, crê quem quer.

Na semana passada, Julio Casares atualizou com palavras oficiais a estadia de Carpini no portal, antes da vitória por 2 x 0 sobre o Cobresal : “ a notícia de hoje é que o Carpini é técnico do São Paulo, com o nosso apoio e dos atletas”. A tradução é que a porta que dá para a rua ainda não se abriu, situação que permanece inalterada após a derrota para o Fortaleza. Se o presidente do clube trata a passagem de Carpini com boletins diários, como se faz com um paciente de UTI, é escandalosamente evidente que o quadro pode mudar a qualquer hora.

Conta-se que o técnico – apenas mais um a não conseguir vencer o Fortaleza comandando o São Paulo, como se deu com Rogério Ceni e Dorival Júnior – já notou um comportamento diferente em seus superiores, dispensando a ele o que se convencionou chamar de “tratamento silencioso” , uma evidência do excelente isolamento acústico do portal de transferências. Como aconteceu e acontecerá com a massacrante maioria de seus colegas, Carpini está sozinho no portal. As pessoas que o contrataram há menos de vinte jogos evitam passar perto, por saber que deveriam lhe fazer companhia, e não por solidariedade. É assim que opera o sistema que apresenta técnicos de futebol como únicos responsáveis pelo que dá errado. A segunda porta abrirá cedo ou tarde, devolvendo-o ao mercado de trabalho como um treinador um pouco mais experiente, mais familiarizado com “os processos” e consciente de que passar pelo portal de transferências é o destino inevitável de quem escolhe ser treinador no Brasil.


VEJA TAMBÉM
- Meia argentino é oferecido ao São Paulo e tem preferência declarada
- Calleri e Rafinha processam empresa dona do jogo FIFA
- Zubeldía reforça torcida por renovação de lateral do São Paulo


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 22 6

Comentários (4)
bronze
15/04/2024 21:35:50 MANO/spfc

É isso aí mesmo. O Carpini não é o único culpado. A diretoria (Casares, Belmonte e Muricy) é a principal culpada pelo erro no planejamento desse ano

15/04/2024 19:34:20 Maicon Leite

Time continua jogando assim quarta e capaz de tomar uma sacola da do Flamengo infelizmente

15/04/2024 18:58:06 Renato R. Bustamante

De quem é esse texto? Muito bom, bem explicado e transparente. Só faltou colocar o nome do jornalista que postou

15/04/2024 18:29:27 Antonio Carlos Capella

Por favor, alguém pode abrir a segunda porta para o Carpini não morrer asfixiado Já que casares perdeu a chave do elevador.

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.