publicidade

Após 7 anos de Profut, dívidas de clubes caem só 10% e somam R$ 11,3 bi

Arena MRV será inaugurada em 2023 Imagem: Reprodução/Arena MRV

A Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte foi criada juntamente com o Profut para sanar as dívidas dos clubes de futebol em 2015. Após sete anos, o endividamento das agremiações foi reduzido apenas em 10% considerados os valores corrigidos pela inflação, e a diminuição do débito tributário foi ainda menor. Tanto que se apelou às SAFs para resolver a situação de algumas agremiações em dificuldade.

Um levantamento da consultoria EY mostra que os 30 principais clubes do Brasil feo número absoluto era R$ 6,7 bilhões).

Em um detalhamento da dívidas, o relatório da EY mostra que os clubes tiveram um débito tributário de R$ 3,758 bilhões ao final de 2022. O valor representa uma queda de apenas 4,6% em relação ao montante corrigido pela inflação em 2015.

Clubes como o Corinthians ultrapassaram R$ 500 milhões em dívidas com o governo porque voltaram a não pagaram impostos após o Profut. Nos últimos dois anos, as agremiações têm abandonado o Profut por um outro programa (Perse) com condições mais vantajosas. Isso levou a novos perdões de multas, e mesmo assim o débito final aumentou.

Não por acaso clubes como Cruzeiro, Vasco e Botafogo tiveram que negociar seus débitos tributários dentro das constituições das SAFs, vendidas a investidores.

Além disso, os clubes brasileiros aumentaram suas dívidas com empréstimos, segundo o levantamento da EY. O débito com mútuos representa R$ 2,864 bilhões. Isso gerou um crescimento de R$ 765 milhões em relação ao patamar de 2015 considerado o valor corrigido pela inflação. Só o Atlético-MG tem uma dívida em empréstimos superior a R$ 800 milhões.

A Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte previa uma série de medidas para tentar controlar a gestão dos clubes. Havia uma restrição de antecipações de receitas, obrigação de redução do déficit até 5% da receita em 2019. Isso não impediu seguidas contas nos vermelhos.

Também havia previsão de que todos os clubes teriam de manter em dia seus pagamentos de salários e direitos de imagem, o que foi descumprido sistematicamente.

Veja a lista de dívidas líquidas:

Atlético-MG - R$ 1,571 bilhão

Cruzeiro - R$ 1,181 bilhão

Botafogo - R$ 1,040 bilhão

Corinthians - R$ 927 milhões

Vasco - R$ 679 milhões

Fluminense - R$ 678 milhões

Internacional - R$ 653 milhões

São Paulo - R$ 587 milhões

Santos - R$ 540 milhões

Grêmio - R$ 518 milhões

Palmeiras - R$ 451 milhões

Red Bull Bragantino - R$ 301 milhões

Guarani - R$ 292 milhões

Bahia - R$ 284 milhões

Athletico-PR - R$ 281 milhões

Flamengo - R$ 254 milhões

Sport - R$ 246 milhões

Coritiba - R$ 236 milhões


VEJA TAMBÉM
- Corinthians e São Paulo: informações e prováveis escalações para o clássico brasileiro
- Veja a provável escalação do São Paulo para o Majestoso
- Thiago Mendes vai conversar com Zubeldía, neste sábado


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 10 0

Comentários (1)
24/05/2023 16:54:33 Sergio Gandini

É muito desvio de dinheiro, pessoas desqualificadas ocupando cargos importantes, e não existe punição, todos se fartam..

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.