Muricy quer corrigir deficiência do São Paulo na direita
Últimas Notícias

Muricy quer corrigir deficiência do São Paulo na direita

Treinador da equipe do Morumbi quer ter mais opções para criar oportunidades de gol nas partidas

0 0 0 0
O técnico Muricy Ramalho quebra a cabeça para que a equipe do São Paulo não fique desequilibrada em campo, mas assume que o problema existe. Ele tenta alternativas para que o lado direito também crie boas oportunidades de gol. Na sua visão, o problema é pontual. O elenco são-paulino não tem na direita um jogador com as características de Jorge Wagner, o curinga do time na esquerda.

"Isso é verdade, mas tenho certeza que aos poucos nós vamos encontrar um modo de jogo que encaixe por aquele setor também", avalia o técnico. O São Paulo tem Joilson e Wagner Diniz, além dos improvisados Zé Luis e Rodrigo como opções para a direita. A vaga está aberta. Quem resolver o problema de Muricy fica com a camisa.

"Temos bons jogadores. Acontece que às vezes demora para dar liga, para surgir um entrosamento natural como acontece quando o Jorge Wagner atua pelo lado esquerdo com o Junior Cesar, por exemplo. Mas vamos melhorar isso, não tem porque nos preocupar", completou o treinador. O próprio Jorge Wagner leva fé nos companheiros destros. "O Wagner Diniz chegou agora e tem muito para mostrar."

A diretoria são-paulina também confia que o reforço, recém-contratado do Vasco, faça a diferença pelo lado direito muito em breve. "Ele vai se adaptar logo. Temos certeza disso. Não tem motivo para alarde", disse o diretor de futebol João Paulo de Jesus Lopes, excluindo qualquer possibilidade de contar com outro jogador para a posição no segundo semestre. "O elenco que era bom está melhor e é esse o time que a gente vai ter até o fim do ano", completou.

TREINO
Nesta terça-feira, Muricy trabalhou o elenco de forma pouco usual. Dividiu os 25 jogadores que tem à disposição em três times, e, em espaço reduzido, cada equipe defendia um gol e atacava em dois. Tudo em dois toques, para valorizar os passes rápidos.

"Ao invés de fazer um chute a gol simples, nós fizemos este treinamento que também tem muita finalização. O jogador precisa se desmarcar o tempo porque joga contra dois times. Por isso, o atleta melhora o chute e a velocidade", explicou Muricy.

O técnico avalia que esse tipo de treinamento diminui a incidência de erros de passes durante as partidas. "Mesmo quando ganhamos um jogo, erramos muitos passes. Se faço um treino em que o cara é obrigado a dar passes curtos e rápidos, ele fica viciado em tocar a bola sem segurar tanto. Ou seja, fica mais ligado na partida."
Avalie esta notícia: 6 7

Comentários (17)

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.