publicidade

São Paulo supera tática surpresa do Flamengo com maturidade e força de campeão

O São Paulo empatou com o Flamengo por 1 a 1, num Morumbi abarrotado, e conquistou a Copa do Brasil de 2023.

Título símbolo, que vai para o corredor dos grandes momentos e reafirma a posição do Tricolor como gigante nacional. É a primeira Copa do Brasil do clube, único título que faltava para a galeria. É também uma retomada em cenário nacional após um doloroso jejum de 15 anos sem títulos de relevância.

Calleri comemora título da Copa do Brasil — Foto: Marcos Ribolli

Calleri comemora título da Copa do Brasil — Foto: Marcos Ribolli

+ Viralizou: emoção de Lucas, samba do Rafinha e "agradecimento" ao Flamengo no título do São Paulo + Nestor resiste a troca de técnicos, supera desconfiança da torcida e vira herói no São Paulo + Campeão de tudo! Veja cinco momentos marcantes no título do São Paulo da Copa do Brasil

O mais novo "Campeão de Tudo" no Brasil pode comemorar até o fim do ano. Porque o título foi conquistado de forma indiscutível: o São Paulo superou uma enorme adversidade nos pênaltis, contra o Sport. Na sequência, eliminou seus dois maiores rivais, o Palmeiras e o São Paulo. E na final, calou um Maracanã lotado.

Quem conta a história no futebol são os campeões. Daqui uma semana (ou até menos), ninguém irá lembrar que o Flamengo jogou melhor no primeiro tempo no Morumbi. E que poderia ter saído campeão se não fosse o chute (chutaço, golaço!) de Rodrigo Nestor. Futebol é feito de resultado. Você pode jogar bem como for, encantar, ficar na memória pelo sabor do futebol...mas se a bola não entra, não adianta.

Saber fazer o resultado mesmo em seus piores dias é a qualidade que separa quem fica pelo caminho e é esquecido de times vencedores que serão lembrados para sempre.

A surpresa do Flamengo no jogo

A provável última escalação de Jorge Sampaoli foi certamente uma de suas mais lógicas: o argentino sacou Gabigol, que vive má fase, e levou Arrascaeta para jogar desde o começo num 4-2-4. Gerson fazia a ponta direita e abria o corredor para o apoio do lateral, Bruno Henrique chegava bastante pela esquerda e Pedro saía da área a todo momento.

A ideia de Sampaoli era ter os quatro contra a linha defensiva do São Paulo, que sofreu duro baque com a saída de seu melhor zagueiro, Arboleda, logo no começo.

Sampaoli surpreendeu a defesa do São Paulo com Arrascaeta mais próximo do gol e Gerson saindo da direita — Foto: Reprodução

Sampaoli surpreendeu a defesa do São Paulo com Arrascaeta mais próximo do gol e Gerson saindo da direita — Foto: Reprodução

O gol de Bruno Henrique foi produto dessa dinâmica. Jogada começa na defesa, com Thiago Maia e Pulgar próximos da defesa. Bola chega na direita, Gerson triangula e conecta a Pedro, que sai da área (movimento muito comum com Sampaoli). Esse movimento tira Alisson e Pablo Maia da frente da defesa e deixa o São Paulo exposto.

Lance do gol foi produto da tática de Sampaoli — Foto: Reprodução

Lance do gol foi produto da tática de Sampaoli — Foto: Reprodução

A força do São Paulo

O principal nome do primeiro tempo foi o goleiro Rafael. E quando a festa parecia esfriar, um lance de bola na área se transformou num golaço de um dos jogadores que mais merecia esse momento: Rodrigo Nestor. Cria da base e com nove anos de clube, o volante foi alvo de críticas com treinadores anteriores, como Crespo e Rogério Ceni.

Se reencontrou com Dorival numa função pouco usual: como falso-ponta. O São Paulo campeão é um 4-2-3-1 com Lucas como meia, Nestor pela esquerda e Rato na direita. A dinâmica é ter Nestor junto de Lucas no meio, o que funcionou muito bem no Maracanã , e por isso mesmo o Flamengo estudou e conseguiu bloquear com Pulgar marcando e deixando Lucas sozinho.

Dinâmica com Nestor de falso-ponta não funcionou com a bola rolando. Já depois da bola parada... — Foto: Reprodução

Dinâmica com Nestor de falso-ponta não funcionou com a bola rolando. Já depois da bola parada... — Foto: Reprodução

O São Paulo equlibrou o jogo após o gol e, no dia mais quente do ano na cidade, entendeu que o melhor caminho do empate não era na força de sua dinâmica, mas sim na bola parada. Aquele velho lema de sempre: bola parada forte vence jogos e ajudam times a serem campeões. Não é demérito, é apenas demonstração de força.

O que fica para a história é o título. A virada por cima de Nestor. A consagração de Calleri. A força de Muricy como dirigente.

São Paulo é campeão da Copa do Brasil

A "vingança" de Dorival Júnior...

No ano passado, o treinador conquistou a mesma Copa do Brasil e uma Libertadores pelo Flamengo. Nas duas finais, seu time não jogou bem, mas saiu campeão. Um ano depois, novamente seu time não joga bem e sai campeão. O Flamengo entendeu que era mais importante trocar o treinador por não vencer os quatro jogos após ser campeão de tudo - uma derrota para o Avaí, no Maracanã, foi o estopim.

Dorival Júnior de óculos escuros na comemoração do título do São Paulo — Foto: José Edgar de Matos

Dorival Júnior de óculos escuros na comemoração do título do São Paulo — Foto: José Edgar de Matos

Azar do Fla, que colheu cinco vexames no ano. Sorte do São Paulo. Dorival Júnior precisava desse título assim como seu clube. Juntos, provaram que são dois gigantes no cenário nacional e reafirmam sua grandeza com uma conquista de peso.

Mesmo que eles não tenham sido superiores na final. Porque, novamente, o que solta o grito e ativa nossas memórias mais profundas no futebol é a taça conquistada. A Inter de Milão foi muito melhor que o City na final da Liga dos Campeões. Assim como o City tinha sido melhor que o Chelsea lá em 2021. Assim como o Corinthians foi melhor que o Flamengo de Dorival na última final.

Não é resultadismo. É equilíbrio. O São Paulo foi superior contra Palmeiras e Corinthians. Quando não deu para ser melhor, soube fazer o jogo e sair campeão. Demonstração de força e maturidade de uma equipe, de um treinador e, principalmente, de uma machucada torcida que enfim comemora o que o Tricolor nunca deixou de ser: um gigante soberano. E agora, enfim, campeão da Copa do Brasil.


VEJA TAMBÉM
- RETORNO DE ASTRO? Em baixa na Europa, São Paulo sonda situação de joia da base que dá resposta
- VAI PRO RIVAL? Chegada de James Rodríguez a um rival após rescisão com São Paulo tem aprovação da torcida
- A CAMINHO DO RIVAL? São Paulo e Corinthians buscando a contratação de meia do Santos


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 10 1

Comentários (4)
25/09/2023 15:29:16 F L G

No fim das contas, nem Peppas, nem Gambás e nem Urubus, o time mais difícil que o SPFC enfrentou nessa Copa do Brasil foi o Sport.

25/09/2023 15:27:04 F L G

É tendenciosa porque em final com dois jogos, não se analisa apenas o que o Flamengo foi melhor em um tempo, mas sim os 2 jogos, e de 4 tempos disputados, O SPFC foi melhor em 3, o cara apenas ""esqueceu "" que no Maracanã dominamos o jogo todo......

25/09/2023 15:24:24 F L G

Como o São Paulo não foi melhor na final???? Dominamos o jogo do Maracanã e 1 x 0, foi pouco lá. No Morumbi o Flamengo começou melhor, mas em termos de oportunidades de gol no primeiro tempo foi igual; já no segundo tempo o SPFC soube administrar os nervos, o desgaste e o calor não dando oportunidade para o Flamengo. Então, de 4 tempos da final, fomos melhores em 3, e ganhamos com mérito. Essa análise aí de cima, pra variar é tendenciosa.

25/09/2023 12:54:08 Eurico Xavier

Chegou a hora da torcida apoiar sou sócio torcedor há vários anos não desisti vamos chegar a 100 mil estamos merecendo

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.