publicidade

Presidente do São Paulo presta depoimento na CPI sobre manipulação no futebol.

O presidente do São Paulo, Julio Casares, participou, nesta quarta-feira, da CPI do Senado, que investiga manipulação no futebol brasileiro. O dirigente avaliou a utilização de inteligência artificial para identificar suspeitas de fraudes no futebol brasileiro. - Eu sou sempre a favor da ciência, mas acho que temos que ter preocupação dentro da inteligência artificial, que são dados superficiais, sobre a reputação de um jogador. Esse relatório pode ajudar um gestor, pode ser útil, mas tenho a preocupação de subjugar, prejulgar, através de um número subjetivo de avaliação de tantos passes errados, a postura de um atleta. Nós temos que tomar cuidado. Gostaria que esse relatório fosse aprofundado - disse o presidente do São Paulo.

Julio Casares ainda questionou se a inteligência artificial foi utilizada para apurar possível manipulação na derrota do Botafogo por 4 a 3, contra o Palmeiras - o clube do Rio de Janeiro terminou o primeiro tempo vencendo por 3 a 0. - Eu não sei se esse mesmo estudo dessa plataforma foi feito quando ele (Botafogo) tomou uma virada histórica do Palmeiras. É muito irresponsável sem ter o prejuízo de apurar, fazer um juízo de valor. Aquele jogador que teve 80% de passes errados, isso não significa que ele está envolvido. Tem que apurar, mas a responsabilidade deve ser medida pelo que ele fala. Eu não faria um juízo de valor colocando um delito grave em cima de um profissional - rebateu.

Casares foi convidado a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito depois que John Textor, dono da SAF do Botafogo, foi ouvido pelo colegiado e apresentou um relatório, com suposta fraude em lances do jogo entre Palmeiras e São Paulo, pelo Campeonato Brasileiro de 2023. Jorge Kajuru (PSB-GO), presidente da CPI, questionou Julio Casares sobre as declarações de Textor. - Nós vínhamos de uma conquista histórica, o São Paulo nunca tinha ganhado uma Copa do Brasil. No futebol, depois de uma grande conquista, há um relaxamento, com 15 minutos tomamos um gol, jogador expulso. Vi depois um brigando com o outro no vestiário. Quando veio a declaração do Textor, nós pedimos apenas que ele provasse. Se tiver prova e (existe) algum culpado, vamos punir, mas presumindo a inocência dos atletas, eu acredito neles. Ninguém pode acusar alguém de um problema que não pode ser provado - reiterou.

Leila Pereira, presidente do São Paulo, foi convidada para participar da sessão nesta quarta-feira, mas não pode comparecer. O depoimento da dirigente foi remarcado para 6 de junho. O Senado instalou, no dia 10 de abril, a Comissão Parlamentar de Inquérito com o objetivo de investigar denúncias de fraude envolvendo jogadores, dirigentes esportivos e empresas de apostas. O colegiado terá até 180 dias para concluir os trabalhos, com possibilidade de prorrogação por 90 dias. Ao término desse período, é elaborado um relatório com as conclusões da CPI, que pode ser enviado ao Ministério Público ou à Advocacia-Geral da União, a fim de que promovam a responsabilidade civil e criminal dos infratores ou adotem outras medidas legais. A comissão será composta por 11 membros titulares e 7 suplentes (veja os membros aqui). O relator da CPI será o senador Romário (PL-RJ), autor do requerimento para a abertura da CPI. A presidência dos trabalhos caberá ao senador Jorge Kajuru (PSB-GO) e vice-presidência ficará com Eduardo Girão (Novo-CE), ex-dirigente do Fortaleza Esporte Clube.


VEJA TAMBÉM
- PRÓXIMO CONFRONTO! Veja o histórico do confronto entre Vasco e São Paulo
- VAI DEFINIR SEU FUTURO! Questionado no Tricolor, possível destaque na Copa América pode definir futuro de meia
- ONDE ASSISTIR: Vasco x São Paulo pelo Brasileirão


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 6 0

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.