publicidade

Muricy Ramalho sai em defesa de Felipão

Técnico do São Paulo reprova demissão do colega no Chelsea

Muitos treinadores ficaram preocupados quando o gaúcho Luiz Felipe Scolari perdeu o emprego no poderoso Chelsea (ING). Com um currículo recheado de títulos e com o pentacampeonato mundial com a Seleção Brasileira, Felipão já faz sombra a muitos colegas de profissão, temerosos com a concorrência de peso.

No São Paulo, porém, ninguém vê o treinador gaúcho como uma ameaça ao cargo de Muricy Ramalho, soberano à frente do time hà três anos e com contrato recém-renovado até dezembro de 2010. O próprio comandante são-paulino saiu em defesa do colega e questionou a metodologia de trabalho do bilionário russo Roman Abramovich, dono do clube inglês.

- Esse time não tem muita paciência com seus treinadores, até porque o dono não é inglês. O outro treinador (o israelense Avram Grant) também durou pouco e o Mourinho queria mandar muito no time. Muitas coisas do futebol não aparecem para o público e às vezes ninguém quer nem falar, mas o que não se pode questionar é a capacidade do Felipão - afirmou o treinador.

Para Muricy, o grande problema dos clubes europeus é a falta de comprometimento dos jogadores com os treinamentos. Lembrando o fracasso de Vanderlei Luxemburgo à frente do Real Madrid (ESP), o são-paulino não poupou críticas à metodologia de trabalho aplicada no Velho Continente.

- O legal seria se ele ficasse mais tempo, assim como o Vanderlei no Real. É difícil falar sobre o dia-a-dia desses clubes, mas posso te garantir que eles não suportam o período integral de treinamento como o nosso e só querem brincar de bobinho. Não adianta chegar pra treinar às 11 horas, fazer um dois toques e ir pra casa, o treinador brasileiro não gosta de fazer isso e aí o jogador fica com má vontade no treino - disparou.

Falando com conhecimento de causa (treinou clubes no México e até na China), o comandante Tricolor concordou que o idioma é uma barreira difícil de ser vencida e pode ter atrapalhado a trajetória de Felipão no Chelsea. Na época em que atuou no Shanghai Shenhua (CHN), Muricy precisou da ajuda de um tradutor para se comunicar e afirmou que a comunicação ficou comprometida.

- Dificulta em todos os níveis: jogadores, imprensa, diretoria. Eu tive essa experiência e é muito difícil trabalhar com tradutor porque a maioria não entende nada de futebol e eles não sabem passar o sentimento que você quer passar no contato com os jogadores ou com a imprensa - finalizou.

VEJA TAMBÉM
- VAI PERMANECER? Titular do São Paulo fala sobre propostas para saída do tricolor
- NÃO JOGA MAIS?? Zubeldía explica ausência de James Rodríguez em sua escalação
- Brilho de Ferreirinha e grandes defesas de Rafael. Confira os destaques da atuação do São Paulo na Libertadores


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 6 5

Comentários (1)

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.