publicidade

Diretor são-paulino estranha correria da Lusa. Estevam rebate.

Terminado o clássico do Canindé, uma inesperada troca de farpas esquentou o ambiente entre São Paulo e Portuguesa. Carlos Augusto Barros e Silva, diretor da equipe do Morumbi, reclamou da arbitragem de Wilson Luis Seneme e revelou ter estranhado o comportamento dos jogadores da Portuguesa em busca de um resultado positivo.

“Acredito que a arbitragem nos prejudicou, no mínimo pelo pênalti que deixou de dar e que nos deixaria mais tranqüilo”, comentou Leco, referindo-se ao lance em que o goleiro Gottardi derrubou o zagueiro Rodrigo, quando a partida ainda estava 2 a 1 para o São Paulo.

O cartola ainda acusou a diretoria da Lusa de ter se aproximado dos dirigentes palmeirenses e “estranhou” a correria aprontada pela equipe do Canindé no segundo tempo do duelo deste sábado.

“A Portuguesa mostrou um fogo incomum, certamente estimulada por fatores que transcendem o desejo de sair da zona de rebaixamento. Teve algo mais aí”, disparou. “Eu não vi, mas pessoas me passaram que havia um camarote reservado para diretores do Palmeiras e que o Estevam esteve em aproximações esquisitas e almoços com diretores. Não era o momento para isso”, completou.

Do lado da Lusa, o técnico Estevam Soares mostrou-se inconformado com as declarações de Leco e, apesar de ter admitido encontros com pessoas ligadas ao Palmeiras, defendeu o empenho mostrado por seus atletas em campo.

“O Leco falou um monte de bobagem. Não precisava falar isso. A Equipe dele ganhou o jogo, mas injustamente, diga-se de passagem”, cutucou. “Quero que prove que estive em reuniões com diretores do Palmeiras. Almocei, pois tenho amigos no Palmeiras, mas eu almoço com quem quiser. Outro dia almocei com o Muricy”, argumentou para, na seqüência, completar.

“Se fosse para receber dinheiro, não precisaria almoçar com ninguém. Isso tudo é uma grande bobagem. Respeito o São Paulo, que tem uma diretoria maravilhosa. Acho o Muricy o melhor do Brasil, pau a pau com o Wanderley (Luxemburgo). Ele não pode falar isso. Os jogadores da Portuguesa estão correndo porque estão com o rabo quente, porque tem hombridade e porque não querem ver o time na Segunda Divisão”, concluiu.

VEJA TAMBÉM
- Provável escalação do São Paulo para enfrentar o Internacional no Brasileirão
- São Paulo Mantém postura firme e exige pagamento da multa por Galoppo
- SECA DE GOLS! Atacante atravessa fase difícil sob comando de Zubeldía no São Paulo


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 10 4

Comentários (1)

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.