publicidade

Encostados FC: jogadores se perdem no anonimato em grandes clubes do Brasil

GLOBOESPORTE.COM enumera aqueles jogadores que chegaram bem credenciados e não passaram de ilusão para os torcedores

Qual caminhada é mais longa? Chegar a um clube grande ou se firmar nele? Para alguns daqueles que foram contratados como solução para os problemas dos doze maiores clubes do país não há dúvidas de que a segunda opção é a mais complicada. Eles são atletas que realizaram o sonho de vestir a camisa de gigantes cariocas, paulistas, gaúchos e mineiros, mas, na maioria das vezes, apenas na apresentação oficial.

Foi o que aconteceu, por exemplo, com o colombiano Reina, do Cruzeiro, e Almeida, do Corinthians. Contratados com boas referências, a dupla apenas participou de treinamento.



Em situação parecida estão Eltinho, do Flamengo, e os também corintianos Alves e Rafinha. Os três participaram apenas de uma partida por seus clubes, apesar de terem sido muito elogiados quando anunciados. Rafinha, inclusive, foi apresentado como grande revelação pelo presidente do Timão, Andrés Sanches, mesmo tom adotado pelo técnico Caio Júnior ao falar de Eltinho, que chegou para ser reserva imediato de Juan e sequer surge como opção quando o camisa 6 vai para a seleção.

Na lista dos "desprezados" há lugar também para destaques em clubes da Série B, mas que na Série A se tornaram apenas mais um. Túlio Souza exemplifica bem esta situação. Destaque no Coritiba campeão da Segundona em 2007, ele teve pouquíssimas oportunidades no Botafogo e ultimamente não é relacionado nem para o banco de reservas.

Há também atletas de passado glorioso, mas que deixam a desejar no presente. Homem de confiança de Mano Menezes no Grêmio da Batalha dos Aflitos em 2005, Marcel decepcionou o comandante em sua passagem pelo Parque São Jorge e é carta fora do baralho. Assim como Bustos, eficiente no Grêmio e abaixo na média no Internacional. Entretanto, o caso mais relevante é o de Júnior. Pentacampeão mundial com a seleção brasileira, o lateral-esquerdo praticamente só participa de partidas com o time B do São Paulo e nem ouse perguntar a Muricy o motivo.

Hoje em segundo plano, alguns, ao menos, já experimentaram os holofotes. Um dos que brilharam foi Jorge Preá, atacante do Palmeiras. Autor do gol da vitória do Verdão sobre a Portuguesa no Paulistão, dando início à arrancada que terminou em título. Menos iluminado, mas também badalado. Michael Jackson Quiñonez chamou mais atenção pelo folclore do que pelo futebol apresentado no Santos, que também 'esqueceu' do jovem Adoniran.

Por fim, aqueles que até tentaram ajudar, mas a condição física não ajudou. No Atlético-MG, Beto, ex-Flu, e Nen, ex-Palmeiras, se lesionaram e foram pouco aproveitados. Menos mal que o Galo está distante da zona de rebaixamento.


VEJA TAMBÉM
- ONDE ASSISTIR: Vasco x São Paulo pelo Brasileirão
- Vai sair? Titular comenta possibilidade de transferência para o Cruzeiro
- Zubeldía reconhece desempenho ruim, justifica time no banco e revela lesão


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 14 12

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.