Há 10 anos, Muricy ganhava o seu título “mais especial” pelo São Paulo
Últimas Notícias
publicidade

Há 10 anos, Muricy ganhava o seu título “mais especial” pelo São Paulo

0 0 0 0
Há exatos dez anos, Muricy Ramalho comemorava o seu título mais especial como técnico do São Paulo. No dia 7 de dezembro de 2008, na cidade satélite do Gama (DF), o Tricolor paulista venceu o Goiás por 1 a 0 e garantiu o tricampeonato brasileiro consecutivo na última rodada da competição.



“Era um campeonato improvável. Estávamos numa situação complicada, muito distante do primeiro colocado e também vindo de uma eliminação na Libertadores. A diretoria meio que desistiu do time”, lembrou Muricy, em entrevista à Gazeta Esportiva.

Diferentemente das duas edições anteriores, o título de 2008 veio a duras penas. Com investimentos mais modestos, o São Paulo acumulou fracassos no primeiro semestre daquele ano, como as amargas eliminações para Palmeiras e Fluminense no Paulistão e Libertadores, respectivamente.

A situação chegou ao ponto de o time ficar desacreditado pela própria diretoria do clube, então presidido por Juvenal Juvêncio. Além disso, derrotados na primeira rodada do segundo turno, os comandados de Muricy viram o Grêmio abrir 11 pontos de vantagem na liderança.

“Não teve mais investimento, tinha que jogar com quem eu tinha lá. Aí vem o convencimento que fiz com os jogadores, para que eles acreditassem que era possível. Foi muito mais difícil do que todos os outros (títulos brasileiros)”, decretou.

Apesar do cenário adverso, o Tricolor contava com jogadores como Miranda, Hernanes, Hugo, Jorge Wagner, Dagoberto e Borges, que foi artilheiro do time na competição, além do ídolo Rogério Ceni. Com eles, o time conseguiu uma arrancada de seis vitórias consecutivas no returno e atingiu a ponta da tabela na 33ª rodada.

A dificuldade do título, consumado só no 38º e último jogo, tornou a conquista mais saborosa, na visão de Muricy. “Foi um tricampeonato de um técnico em um único time, e isso é inédito. Todos queriam aquele título, foi o momento mais especial e mais difícil para a gente”, afirmou.

Abaixo, veja outros trechos da entrevista com Muricy:

Virtudes do time
O time era guerreiro e sabia das limitações que tinha. Marcava muito forte em todos os setores do campo, todos queriam colaborar, e o nosso ataque brigava muito na frente. Esse time era diferente, os outros eram mais técnicos. Esse era mais brigador, muito determinado no que queria. Tecnicamente não era o melhor dos três, mas tinha muita vontade de vencer.

Referências
Na época perdemos a dupla de volantes que eram o Josué e o Mineiro. Então, achei Jean e Hernanes, e eles fizeram muita diferença no meio-campo. Eram fundamentais para o nosso esquema. Na frente tinha Dagoberto, Hugo, Borges, muito goleador. Era um time guerreiro e equilibrado, com uma defesa muito forte.



Jogo que mais marcou
A diferença foi o jogo contra o Botafogo, no Rio de Janeiro. Nós ganhamos de 2 a 1. Ali foi a nossa arrancada. Ficamos muito fortes, ganhamos com o estádio cheio e aquela vitória fortaleceu muito o nosso time.

Decepção em 2018
O São Paulo só tinha um time, não tinha um elenco. O campeonato de pontos corridos é longo, com outros campeonatos no meio dele. O São Paulo não tinha um plantel para fazer tudo isso. Superou demais com o Aguirre ao chegar em primeiro lugar, mas porque o time estava ajeitadinho. Aí houve algumas contusões e começou a perder, porque a reposição não era a mesma. É isso o que faltou ao São Paulo e que precisa cuidar para o ano que vem. Ou seja, fazer um plantel um pouco mais forte. Um time só não dá.

São Paulo, Muricy, Título, Especial, Tricolor, SPFC

[ENQUETE] Vale a pena desembolsar R$ 3 milhões para contar com Everton Felipe em 2019?

CLIQUE AQUI

Veja as novidades do SPFC no vídeo abaixo

SPFC ÚLTIMAS NOTÍCIAS: Martin Silva e Pablo; Rodrigo Caio; Trellez e mais! - Layla Reis




Avalie esta notícia: 13 1

Comentários (2)

07/12/2018 12:52:34 Marcio Borges Casonato

Epoca de glórias, tinhamos um time, tinhamos um elenco, tinhamos um grande goleiro, tinhamos um técnico experiente com garra e espirito de campeão e acima de tudo tinhamos um presidente e uma diretoria capacitada sem medo de investir em contratações. Éramos referência no cenário do futebol. Bem diferente de hoje temos um elenco limitado sem alma sem identidade, sem amor a camisa sem padrão de jogo, temos um técnico ESTAGIARIO, e um goleiro que não tem personalidade pra vestir a camisa do tricolor, temos contratações de nível série B que não tem potencial algum pra jogar no SP, hoje temos só jogadores de empresários diferente da decada passada, e acima de tudo temos um presidente que vive na soberba do fracasso e uma diretoria cheia de corruptos!! Hoje esse é o SPFC FORA LECO! FORA LECO!

07/12/2018 12:21:37 Robson Almeida

Nesse dava pra ganhar faltou foi sabedoria para o técnico saber trabalhar

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.